Home Livros Diversos O Assalto à Escola de Guerra 1915-1925

O Assalto à Escola de Guerra 1915-1925

15,00

5 em stock

REF: DI#0012-LC Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Academia Militar
Coordenação: António José Telo
ISBN: 978-989-8647-48-1
Edição: 2015
Páginas: 169
Formato: 160x235mm
Poucos meses antes Portugal e a Europa tinham sido confrontados com o começo da maior guerra da humanidade, prevista por Morais Sarmento e por alguns poucos visionários em Portugal, mas uma surpresa para a generalidade dos europeus. No Governo de então não tardam a definir-se duas posições, que vão ocasionar uma profunda clivagem nacional até 1918. Freire de Andrade, o Ministro dos Negócios Estrangeiros, pensava que Portugal devia alinhar em tudo pela Grã-Bretanha e aceitar todos os pedidos que ela fizesse, mas lhe interessava manter a neutralidade, desde que isso fosse compatível com os desejos do Aliado. Pereira de Eça, o Ministro da Guerra, pensava que interessava a Portugal forçar a beligerância, mesmo que isso contrariasse os desejos do seu Aliado. Estavam definidas as duas posições de fundo, a grande clivagem nacional entre guerristas e antiguerristas. 
Morais Sarmento alinha sem qualquer hesitação pelos antiguerristas, aplaudindo quando Portugal cede armamento aos Aliados, quando permite a passagem de tropas britânicas por Moçambique e quando envia expedições para defender Angola e Moçambique, tudo isto nos curtos meses finais de 1914. Ao mesmo tempo, Morais Sarmento apoia Freire de Andrade, quando este se recusa a forçar a beligerância, coisa que a Grã-Bretanha não quer e não pede.Neste livro é explicado o contexto e o desenvolvimento deste conflito, a forma como ele conduz ao primeiro grande abalo interno da 1ª República, com a formação do gabinete de Pimenta de Castro, em Janeiro de 1915, a convite do Presidente da República Manuel de Arriaga. Passados escassos meses surge a revolução de 14 de Maio de 1915, a mais sangrenta do século XX português, com mais de uma centena de mortos e seis centenas de feridos.
Será no seguimento desta, já derrubado Pimenta de Castro e depois da vitória dos revoltosos, que Lisboa é posta a saque. Os grupos de civis armados dominam as ruas da capital e, durante três dias (de 15 a 17 de Maio), praticam todo o tipo de abusos e crimes. Os representantes diplomáticos em Portugal ficam boquiabertos e assustados com esta explosão de violência, e, como temem pelos seus conterrâneos, pedem o envio urgente de uma força militar. Ela acabará por chegar sobre a forma de três esquadras (Espanhola, Francesa e Britânica) que entram no Tejo, não tendo vindo outras porque o contexto da guerra o não permitia. Nesses três dias são realizadas centenas de assaltos em Lisboa, a jornais, centros políticos, casas particulares e instituições.
Até a casa particular do general Morais Sarmento é ameaçada, cercada por civis armados, que chegam a apontar as armas a senhoras da família quando estas tentam sair para a rua.

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “O Assalto à Escola de Guerra 1915-1925”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

0
YOUR CART
  • No products in the cart.