Decorreram no dia 08 de outubro em Lamego as III Jornadas de Apoio Médico, Psicológico e Social.
As Jornadas iniciaram-se com 1.º Painel – Apoio Médico, moderado pelo Dr. Fernando Reis Lima, médico cirurgião, que nos apresentou a comunicação “Do Passado ao Futuro” partilhando um pouco da História Médica Militar desde o passado até há época atual, com relevância para o tempo em que vivenciou a guerra do ultramar em Angola. Referiu que a participação em atos violentos, nomeadamente em conflitos armados, perturba, por vezes, o comportamento social e psicológico de quem neles participa. Documenta-se com algumas imagens originais, o ambiente vivido, à época, por um alferes-médico do Comando do Batalhão de Caçadores 114 em Angola, como exemplo do trauma mental, possivelmente verificável nos militares, sujeitos à violência da Guerra, obrigando, mais tarde, a apoio médico, social e psicológico aos intervenientes em conflito armados.
O painel foi constituído pelo Dr. José Andrade, que abordou os Desafios e dificuldades em período de Pandemia (COVID-19), apresentando alguma da sua atividade clínica desenvolvida no CAMPS 4, em Coimbra, durante o período de pandemia, evidenciando as dificuldades, problemas identificados e modalidades de intervenção encontradas para ultrapassar os novos desafios.
Seguiu-se o Prof. Doutor João Hipólito, psiquiatra e psicoterapeuta, que apresentou algumas reflexões sobre casos clínicos que acompanhou no CAMPS em Lisboa, a propósito da Perturbação de Stress Pós-traumático de Guerra. O Absurdo, a Incompreensão e a Solidão…
O painel 1 terminou com a participação da Dr.ª Ana Margarida Ribeiro que nos apresentou algumas estratégias de Promoção da Saúde Mental na SAÚDE e Apoio aos Profissionais no âmbito da Pandemia por Covid-19, no âmbito das atividades realizadas pelo Serviço de Psiquiatria do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, visando a prevenção do burnout e a promoção da saúde mental dos profissionais de saúde numa época histórica de elevado desgaste físico e psicoemocional.
A Sessão de Abertura contou com a presença da Secretária de Estado dos Recursos Humanos e Antigos Combatentes – Prof. Doutora Catarina Sarmento e Castro, sendo acompanhada na mesa pelo Presidente da Câmara de Lamego – Dr. Ângelo Moura, Presidente da Liga dos Combatentes – Tenente-General Joaquim Chito Rodrigues, Presidente do Núcleo do Lamego –  Coronel Valdemar Correia Lima e o Coordenador-geral do CEAMPS – Prof. Doutor António Correia.
O Painel 2 – Apoio Psicológico foi moderado pela Dr.ª Ana Teixeira do CAMPS do Porto e foi constituído pelas psicólogas dos CAMPS de Coimbra e da Beira Interior, que partilharam a sua Experiência da LC/CAMPS em tempo de pandemia e o trabalho desenvolvido pelas equipas dos CAMPS desde a criação destas estruturas até ao ano de 2020, focando as principais problemáticas e ações, partilhando o modo como nos adaptámos e reinventámos perante o enorme desafio da pandemia de COVID-19, numa população envelhecida e vulnerável, quais as estratégias e como seguimos em frente e esperamos continuar.
Fez parte deste painel a Prof. Doutora Odete Nunes, Diretora do Departamento de Psicologia e Sociologia da UAL e Diretora do CIP/UAL, que nos apresentou a sua experiencia na Intervenção Psicológica em Grupos – a experiência com combatentes de guerra. Partilhando o trabalho de intervenção psicoterapêutica em grupo, numa população de antigos combatentes. Uma experiência psicoterapêutica na qual a partilha das vivências passadas e presentes dos ex-combatentes pudessem ser integradores e os ajudasse a ultrapassar as dificuldades ocasionadas pelo stress pós-traumático sofrido.
Uma destas condições fundamentais que foi privilegiada, diz respeito à qualidade de relação estabelecida entre o terapeuta e o todo do grupo assim como a cada elemento do mesmo.
O almoço para os convidados foi servido num restaurante da serra das meadas com uma vista espetacular sobre o rio Douro. Após o almoço as Jornadas continuaram com o Painel 3 – Apoio Social, moderado pela Prof. Doutora Paula Santos, da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego.
Neste apinel as Assistentes Sociais dos CAMPS da Beira Interior e Coimbra apresentaram-nos o trabalho desenvolvido na Liga dos Combatentes na área do apoio social aos combatentes e suas famílias e combatentes em situação de sem-abrigo, no período antes, durante e nesta fase de transição para o pós pandemia.
Durante a pandemia o Assistente Social teve de se reinventar quanto à sua forma de atuação, uma vez que, todo o trabalho que desenvolvia tinha que continuar a ser operacionalizado, mas com adaptações. Podemos dizer que foi preciso “baralhar para voltar a dar”, ou seja, as estratégias estavam definidas para o tempo de liberdade, mas com o confinamento houve necessidade de voltar a mapear quais os instrumentos de comunicação que os utentes dispunham para comunicarmos e como fazer-lhes chegar os bens e serviços que necessitavam.
A Dr.ª Mª de Fátima Santos veio falar-nos da importância do trabalho em rede, a partir da sua experiência na Caritas e no Município de Castelo Branco.
Seguiu-se neste painel, a partilha da experiência dos Delegados Sociais dos Núcleos da Covilhã, Vizela, Manteigas e Oliveira do Bairro, no apoio direto e próximo dos combatentes e seus familiares associados dos respetivos Núcleos.
O último, Painel 4 – Estudos e Investigações, foi moderado pelo Prof. Doutor João Hipólito, Presidente do Centro de Investigação em Psicologia da UAL. Apresentou-nos 3 dos vários estudos e investigações levados a cabo pelo CEAMPS em apoio a Investigadores integrados em Universidades.
A militar do CTOE e Mestranda Ana Vianez a frequentar o Mestrado em Terapia Ocupacional na Escola Superior de Saúde do Porto, apresentou-nos um estudo que visa contribuir para um melhor conhecimento das técnicas e Tecnologia associadas à Realidade Virtual e, assim ajudar a encontrar novas linhas de intervenção que possam melhorar o bem-estar e o apoio dos antigos combatentes que sofrem de Stress Pós-Traumático.
A Dr.ª Rute Brites apresentou o 1.º estudo realizado em Portugal com famílias: Transmissão Intergeracional do Trauma: um estudo com Famílias de Antigos Combatentes e Militares das Missões de Paz, que decorre com apoio do CEAMPS e dos técnicos dos CAMPS.
A Dr.ª Maria Vieira, colaboradora do CEAMPS, Ex-Estagiária da Ordem dos Psicólogos Portugueses, na Liga dos Combatentes apresentou-nos a recolha de pesquisas, após mais de um ano de pesquisas mensais em apoio à Equipa de Coordenação Técnica do CEAMPS e aos Técnicos dos CAMPS. Nestas pesquisas estão incluídas algumas técnicas e exemplos de intervenção psicossocial em tempos de pandemia bem como os efeitos do Covid-19.
Estudo a nível nacional, em dois momentos de recolha de dados (maio de 2020 – após o primeiro e o segundo confinamento – maio de 2021). Os dados foram recolhidos junto dos Combatentes, seja em acompanhamento social, psicológico ou médico. Neste estudo de monitorização tentou-se compreender quais as doenças crónicas e perturbações psicológicas dos participantes; o grau de autonomia para realizar as suas tarefas de vida diárias; a sua perceção de suporte familiar e social; a relação entre estas variáveis e se estas condições se alteravam do 1.º para o 2.º confinamento.
Este painel foi apoiado pelo Coordenador-geral do CEAMPS, Prof. Doutor António Correia, Investigador integrado no CIP-UAL que coordenou estas linhas de investigação.
Antes da Sessão de encerramento foram condecorados com a Medalha de Mérito da Liga dos Combatentes e entregues diplomas de reconhecimento pela resposta à pandemia, aos profissionais e técnicos de saúde e apoio assistencial.
Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1921. Constituem objetivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de ações de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a proteção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objetivos, nomeadamente no que respeita à adoção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por atos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e direto dos seus associados.

Artigo anterior«Combatente» – setembro 2021
Próximo artigo1º Concerto Solidário no Centenário da Liga dos Combatentes
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1921. Constituem objetivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de ações de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a proteção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objetivos, nomeadamente no que respeita à adoção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por atos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e direto dos seus associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here