Conservação das Memórias

07.07.2016 – Recuperação do Talhão da LC no cemitério de Nampula – Prosseguindo a tarefa de garantir a manutenção dos Talhões recuperados pela LC na República da Guiné Bissau, em São Tomé e Príncipe, em Cabo Verde e em Moçambique, estão a decorrer em diversos Cemitérios Municipais destes Países, intervenções de restauro dos Talhões da Liga dos Combatentes. Estas intervenções retomam-se ciclicamente, já que a degradação que se regista nos Talhões, Ossários e Capela de Bissau, é proporcional às exigentes condições climatéricas que se vivem naqueles Países e tendente a retirar a dignidade que a Liga quer garantir para aquelas infraestruturas.
Terminada a recuperação do Talhão de Nampula – a primeira a ficar concluída de entre o conjunto das que decorrem nos Países já referenciados – 83 Campas foram intervencionadas e pela imagem se pode constatar que ficaram bem arranjadas e dignamente se apresentam a quem as possa visitar. Ao abrigo do turismo das memórias, alguns antigos Combatentes se deslocam às províncias em que serviram na guerra do ultramar e vão chegando à Liga palavras de apreço pela conservação e dignificação de que aqueles espaços são alvo.
Em Nampula, a Liga possui uma Delegada, a Cônsul Honorária de Portugal naquela cidade Moçambicana, Sr.ª Dona Maria de Lurdes, que desde os primeiros contatos da Liga com a sua pessoa – e já passaram 6 anos – sempre demonstrou carinho, sensibilidade, muito apoio à causa da Liga e ao seu labor. As campas que a foto mostra recuperadas, de conservada estrutura, transmitindo cuidado de manutenção e “respirando” dignidade, foram enriquecidas com a deposição de uma flor sobre a sobriedade do cimento pintado. A foto “fala” por si e demonstra a sensibilidade de uma Delegada da Liga e da Mulher que por altruísmo assim relembrou os nossos Combatentes. A Liga dos Combatentes cumpriu em Nampula a sua missão. A Delegada da Liga deu mais significado a essa tarefa, deu-lhe o “toque” de vida e de homenagem que partilhamos com o leitor.

Operação «Nova Frente 7» – Moçambique – Em 3 de julho de 2015 regressou a Portugal a Equipa de Missão da LC, após ter efetuado a Operação Nova Frente 7 em Moçambique.
Em 14 de junho deu-se início à NF 7 com o deslocação para Moçambique da “Equipa”, tendo início no terreno a 16 de junho em Nampula, preparando-se todo o equipamento e reabastecimentos necessários para a sustentação logística da Missão. Rumou-se em seguida a Pemba onde foi recebido o Talhão Militar da LC naquela cidade após requalificação, tendo a “Equipa” prosseguido para Mocímboa da Praia onde procedeu ao estudo da requalificação do mausuléu da GG no cemitério municipal da Cidade, preparando o orçamento da requalificação referida.
Partiu-se posteriormente para Palma onde se esperava fossem efetuadas duas exumações, mas a impossibilidade de localizar uma campa determinou que apenas uma fosse exumada. A tarefa revelou-se dificultada pela presença de inúmera população que a todo o custo queria ver “o que se ia passando”, envolvendo a campa por completo e dificultando os trabalhos.
Dirigimo-nos posteriormente para Mueda, onde decorreu o estudo de requalificação e os preparativos de orçamentação do Talhão Militar da LC, tarefas demoradas e detalhadas que foram assessoradas por uma empresa local. O nosso objetivo é “reconstituir” o Talhão de 109 campas naquele local da emblemática Mueda, restituindo-lhe a traça original tanto quanto possível. Montepuez foi o nosso objetivo seguinte, procurando exumar restos mortais de 11 campas, tendo sido apenas concretizadas 9 exumações por se verificar a existência de 2 urnas de chumbo que permaneceram nolocal por razões sanitárias. A nossa atividade voltou a ser acompanhada por multidões de populares que perturbaram significativamente as condições de trabalho na escavação das campas e recolha de restos mortais. Seguimos posteriormente para Nampula, onde nas instalações da Cooperação Técnico Militar Portuguesa (CTMP) naquela cidade se procedeu à limpeza dos restos mortais recolhidos, tendo estes sido acondicionados em urnas e posteriormente depositados no ossário da LC em cerimónia militar em que se dignou participar a Cônsul de Portugal em Nampula, seu marido e outros civis portugueses, sem deixar de contar com a presença dos Militares que prestam serviço na CTMP.
Todas as nossas ações contaram com o apoio das autoridades moçambicanas nos locais onde desenvolvemos atividades, autoridades muito elucidadas pelo governo moçambicano dos nossos objetivos e que recolhendo de nós a última informação sobre os nossos propósitos nos apoiaram por forma muito empenhada. Regressámos a Portugal com o sentimento do dever inerente a esta missão ter sido cumprido, aguardando os orçamentos para a requalificação do Talhão Militar da LC em Mueda e do Mausuléu em Mocímboa da Praia. Neste momento já se encontram iniciados os trabalhos de requalificação em Mueda e a seu tempo será equacionada a requalificação projetada em “Mocímboa da Praia.
Em 2016 aguarda-nos a NF 8, tendo a NF 7 marcado o final de exumações referenciadas no terreno, ou em cemitérios municipais encerrados e que permitiram que o nosso ossário em Nampula albergue 58 urnas de Militares Portugueses Tombados em Moçambique na Guerra do Ultramar.
08.07.2014 – Operação “Nova Frente 6”- Moçambique – Decorreu em Moçambique entre 16 de Junho e 4 de Julho. A Equipa da Liga dos Combatentes deslocou-se para Maputo onde em 17 de Junho apresentou cumprimentos às autoridades portuguesas, Embaixador e Adido de Defesa, tendo posteriormente sido recebida pelo Secretário-geral da Associação de Combatentes da Luta de Libertação Nacional Moçambicana, entidade que convidou para visitar a LC no mês de Outubro deste ano, convite que foi aceite. Deslocando-se para a Província de Cabo Delgado, a Equipa da LC desenvolveu a sua atividade em Pemba, Mocímboa da Praia, Palma, Mueda, Macomia, Montepuez, tendo posteriormente desenvolvido a sua atividade na Província de Nampula.
09.07.2013 – Operação “Nova Frente 5” – Moçambique – Decorreu em Moçambique no período compreendido entre 16 de junho e 9 de julho de 2013. A Operação que se iniciou em Maputo com a apresentação de cumprimentos e troca de informações sobre a Missão ao Embaixador de Portugal em Maputo e Autoridades Ministeriais Moçambicanas, deslocou-se seguidamente para o terreno rumando à cidade da Beira. A Equipa de Missão da LC era composta por 3 Oficiais que apresentou cumprimentos ao Cônsul-Geral de Portugal na Beira, dando de imediato início à sua atividade de localização de campas e resgate de restos mortais de Militares Portugueses nas províncias de Manica (Chimoio), Tete (Fingoé, Moatize e Mutarara), Sofala (Chemba) e Zambézia (Mocuba).
27.06.2012 – Operação “Nova Frente 4” – Moçambique – Decorreu em Moçambique entre 6 e 27 de Junho. A LC desenvolveu a sua ação de intervenção no âmbito do Programa Estruturante “Conservação das Memórias”, nas Províncias do NIASSA (Lichinga-Mbendo-Metangula-Mecaloge-Malapísia e Tenente Valadim) e de NAMPULA (Malema), dando continuidade à fase de exumação de restos mortais de Combatentes Portugueses da Guerra do Ultramar, que se encontravam inumados em campas isoladas e sem condições de dignidade nas localidades referidas. Foram exumados restos mortais de 14 Combatentes e transportados posteriormente para o Ossário da Liga dos Combatentes em NAMPULA, onde repousam agora em condições de dignidade devida. Durante a Operação Nova Frente 4, foi ainda recebido o Talhão da LC em NAMPULA após a requalificação de 80 campas.
29.09.2011 – Operação “Nova Frente 3” – Moçambique -Terminou em 29 de Setembro a 3.ª fase da Operação “Nova Frente 3” – a primeira que envolveu a “exumação de restos mortais”, consequência das duas ações de reconhecimento anteriormente concretizadas em Moçambique pela Liga. Foi pleno o apoio que a LC recebeu do Governo de Moçambique para possibilitar a exumação de restos mortais de militares portugueses tombados na Guerra do Ultramar, devendo salientar-se a coordenação que o Ministério dos Combatentes de Moçambique efetuou com o Ministério da Saúde e com o Ministério da Administração Estatal daquele País Irmão, recebendo em audiências e credenciando a Equipa da LC por forma a garantir a sua deslocação e atuação no terreno, facilidades de contacto com as autoridades locais e bem articulado apoio destas para a Missão que a Moçambique nos levou.
30.06.2011 – “Operação “Nova Frente 2”- Moçambique – Deslocou-se a Moçambique uma Equipa de Missão da Liga dos Combatentes, com o objetivo de finalizar o reconhecimento aos locais referenciados como possuidores de campas de militares portugueses inumados durante a Guerra do Ultramar. Finda a Operação “Nova Frente 2”, a LC dá por concluído o reconhecimento a todos os locais – Cemitérios citadinos, Municipais e locais, bem como aos pontos de inumação isolados e situados perto de antigos aquartelamentos portugueses. Garantindo desde já a possibilidade técnica para levar a cabo o início da concentração de restos mortais em Ossários, atividade que iniciará ainda durante 2011 depois de autorizada pelo Ministério da Administração Estatal de Moçambique, a LC recebeu das autoridades Municipais da Cidade de Nampula autorização para construir um Ossário no cemitério Municipal e, em processo similar, sancionamento para utilizar alvéolos do Ossário da Beira que ficarão afetos à Liga.
A Liga dos Combatentes em Moçambique – Operação “Nova Frente” – Terminada a intervenção na República da Guiné-Bissau, a Liga dos Combatentes estabeleceu uma Nova Frente – A República de Moçambique, para prosseguir a sua atividade de Conservação das Memórias. Na observância dos objetivos desse seu Programa Estruturante, a Liga dos Combatentes partiu, em 4 de Setembro pretérito, para Moçambique e durante 19 dias deslocou-se pelo País, percorrendo a Norte as províncias de Nampula, Niassa, Cabo Delgado e ainda o cemitério de Gurué na Zambézia. A Sul, percorreu Maputo, Inhambane e Gaza reconhecendo os cemitérios municipais dessas províncias onde se encontram inumados militares que tombaram na I Guerra Mundial e na Guerra do Ultramar, identificando também alguns locais de inumação que se constituem atualmente em locais abandonados de vida humana e à mercê das alterações que a natureza introduz, tudo registando para posterior tratamento documental e conceção da ação de dignificação.
29.07.2010 – Deslocação a São Tomé e Cabo Verde no Âmbito do Programa Conservação das Memórias – No período compreendido entre 29 de Julho e 05 de Agosto de 2010, a Liga dos Combatentes fez deslocar a São Tomé e Cabo Verde o TCor Carlos Tavares Correia, no âmbito do programa estruturante Conservação das Memórias. A deslocação teve como objetivo verificar o estado de conservação do Talhão dos Combatentes Portugueses no cemitério de São Tomé e as obras efetuadas no cemitério do Mindelo, na Ilha de S. Vicente, em Cabo Verde, bem assim como “pesquisar” na Ilha de Santo Antão, nos cemitérios do Paul e Ribeira Brava, campas de militares Portugueses. Nesta deslocação, é de salientar o apoio proporcionado pelo Adido de Defesa de Portugal em São Tomé, Coronel Moreno e, uma vez mais, uma referência à nossa Cônsul Honorária – Dr.ª Rosália Vasconcelos, pelo desvelo e carinho que os Símbolos de Portugal lhe merecem e, em particular Àqueles que por Eles Tombaram.
15.11.2009 – Terminada a 3.ª Missão no início de Abril, em Gabu (Nova Lamego) – Com a exumação de 13 Combatentes, cujos restos mortais repousam agora num ossário na Capela da LC, no Cemitério de Bissau, junto às campas de outros 284 aí inumados. Foi realizado, em simultâneo, o reconhecimento dos locais a serem intervencionados. Chegados a Portugal, começaram os preparativos para a sua concretização. Tendo entretanto tomado posse o atual Vice-presidente da Liga dos Combatentes, Major-General Fernando Aguda, foi-lhe cometida a responsabilidade primária do Programa Estruturante da Liga, “Conservação das Memórias”. Para cumprir essa tarefa, foi definida, como do anterior, uma Equipa de Missão que inclui o Chefe da Missão e uma Equipa Técnica, que iria concretizar a “operação Sul da Guiné”. A 4.ª Missão teve início no passado dia 15 de Novembro. A Equipa de Missão foi constituída pelo MGen Fernando Aguda, o TCor Diogo e o TCor Correia, acompanhados pelo técnico de geo-radar, Hélder Hermosilha.