Estatuto Editorial

  1. O «Combatente» é um projeto de informação, destinado a todos os que vivem e sentem Portugal.
  2. O «Combatente» é uma publicação trimestral, de âmbito nacional, de informação orientada para todos os portugueses que serviram e servem a Nação.
  3. O «Combatente» rege-se pelo escrupuloso cumprimento das normas éticas e deontológicas que regulam o jornalismo, sem qualquer dependência de ordem ideológica, política ou económica, e cumprindo as orientações definidas pela Direção da revista e na observância dos Estatutos da Liga dos Combatentes.
  4. O «Combatente» participa e estimula o debate sobre questões que dizem respeito ao seu público alvo, sem prejuízo de tratar assuntos de carácter geral, sempre que estes se cruzem com os interesses explícitos no ponto II.
  5. O «Combatente» reserva-se o direito de não publicar colaboração não solicitada ou que seja contrária ao seu Estatuto Editorial.
  6. Os artigos assinados, são da responsabilidade dos seus autores e podem não refletir a opinião da Direção.

Um apelo aos que se bateram

“A «Liga dos Combatentes da grande Guerra» iniciando hoje a publicação desta revista, tem por fim tornar mais conhecidos os seus intuitos e dar uma mais larga expansão á sua actividade.

A Liga foi criada com o duplo objectivo de realizar a união dos combatentes, mantendo sem­pre neles, vivos e dispertos, os mesmos sentimen­tos que na guerra os animaram, e de dispensar aos que em campanha se inutilizaram e ás viúvas e aos órfãos dos que lá morreram, o amparo material e moral a que teem direito.

Se a sua criação não foi isenta de embaraços, é agradável reconhecer que depois de inaugu­rada sob o patrocínio oficial, ela tem encontrado por toda a parte o mais benévolo acolhimento. Apesar da exiguidade dos seus recursos, a sua obra de assistência é já considerável, graças aos generosos subsídios que tem recebido; e as van­tagens de varia ordem que tem conseguido para os antigos combatentes são sobremaneira anima­doras. Mas a verdade — por que não dizê-la? — é que ela poderia ter tido uma acção mais vigorosa, e consequentemente mais benéfica, se muitos dos que estiveram na guerra se não tivessem até agora, com uma indiferença inexplicável, conser­vado afastados do seu seio.

Ao surgir em publico o seu órgão, a Liga apela pois, por meu intermédio, para todos os que se bateram e lhe não deram ainda a sua adesão, exortando-os a que se não demorem mais tempo a trazer-lhe a sua coadjuvação há tanto esperada.

Nesta sociedade agitada em que vivemos, há muita gente que, no fragor das lutas que nos di­laceram, esquece que, por maiores que sejam as divergências de opinião e os antagonismos de in­teresses que nos separam, há deveres de soli­dariedade nacional que não podem ser posterga­dos. A nós, combatentes, que em face do inimigo tivemos ocasião de sentir tão imperiosamente a necessidade de uma união indestrutível, compe­te nos dar ao país um exemplo salutar de ele­vação patriótica, mostrando-lhe que, sem nin­guém abdicar dos seus ideais ou das suas cren­ças, há campos em que todos os portugueses po­dem e devem encontrar-se A nós cabe-nos tam­bém dar á palavra camaradagem, cuja noção está tão obliterada, todo o seu nobre e dignificante sentido, estreitando cada vez mais os laços indissolúveis que nos unem.

Muitos dos nossos camaradas de armas, e justamente dos que mais merecem o reconheci­mento geral, porque, sendo os mais humildes, foram os mais sacrificados, precisam do auxilio da Liga — e ela não lho poderá prestar eficaz­mente se não contar com o concurso de to­dos nós. Tão indeclinável reputo a obrigação de lho não recusar que, ao subscrever estas linhas, ouso esperar que o apelo que elas encerram será ouvido, não obstante eu não ter sabido dar-lhe, como desejava, a ressonância e a vibração d’um toque de reunir.”

Major Ribeiro de Carvalho
(Editorial publicado em 01 Jan 1926)