Home Núcleos Castelo Branco Castelo Branco – 98.º Aniversário

Castelo Branco – 98.º Aniversário

0
72
O Núcleo da Liga dos Combatentes de Castelo Branco, no passado dia 20 novembro, pelas 11h00, comemorou o 103 aniversário da assinatura do Armistício, os 47 anos do fim da Guerra do Ultramar e o 98º Aniversário da Fundação do Núcleo da Liga dos Combatentes de Castelo Branco.
A cerimónia foi presidida pelo Presidente da Liga dos Combatentes, Tenente-General Joaquim Chito Rodrigues. A efeméride contou com a presença do Vice-Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, Dr. Hélder Henriques, bem como outras ilustres autoridades civis, militares, culturais e com uma excelente moldura humana formada por Combatentes e seus familiares.
Antes do início das cerimónias, teve lugar na sede do núcleo, o descerramento da fotografia e do diploma de sócio benemérito a título póstumo do nosso sócio António Arnel Afonso.
O ponto alto das cerimónias teve lugar junto ao Monumento aos Combatentes, na Praça Martin Afonso de Melo, onde decorreu a Cerimónia de Homenagem aos Mortos, que contou com a presença de uma força militar do Regimento de Infantaria nº15, Tomar.
Na ocasião foram também impostas as seguintes condecorações:
– Medalha Cruz S. Jorge 3.ª Classe  (Medalha atribuída pelo Estado–Maior General das Forças Armadas (EMGFA)) – SMor Eng.ª na situação de RESERVA – Carlos Reis Pio, missão na República Centro Africana (RCA) 2018;
– Medalha Dos Feridos em Campanha  – Ex-Soldado Manuel Pereira Amaro – no Teatro de Operações Guiné 1964-1965;
– Medalha Comemorativa das Campanhas:
– Ex-1.º Cabo Francisco Soares Gregório – Legenda “Angola 1969-1971”;
– Ex-Soldado Manuel Pereira Amaro – Legenda “Guiné 1964-1965”;
– Ex-Soldado João Ramalhinho Antunes – Legenda “Guiné 1964-1966”
– Ex-Soldado João Sobreira Dias Martinho – Legenda “Guiné 1968-1969”;
– Ex-Soldado José Gonçalves Ribeiro – Legenda “Angola 1971-1972”.
Foi também louvado pelo Presidente da Liga Central, TGen Joaquim Chito Rodrigues, o Agente Principal da PSP, na situação de Aposentado, Carlos Fernando de Jesus dos Santos.
As intervenções alusivas ao evento foram proferidas pelo Presidente do Núcleo, TCor José Manuel Boieiro e pelo Vice-Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, Dr. Hélder Rodrigues. Foi ainda lida a mensagem do Presidente da Liga dos Combatentes referente aos 103 anos da assinatura do Armistício.
No final das cerimónias decorreu uma missa de sufrágio e um almoço convívio com os sócios e seus familiares.
Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1921. Constituem objetivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de ações de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a proteção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objetivos, nomeadamente no que respeita à adoção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por atos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e direto dos seus associados.

Previous articleSeminário – Que desafios, que respostas para os Combatentes
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1921. Constituem objetivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de ações de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a proteção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objetivos, nomeadamente no que respeita à adoção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por atos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e direto dos seus associados.

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

0