Este ano o Dia 09 de Abril – Dia do Combatente foi celebrado no Núcleo de Lagoa-Portimão, apenas a nível local, dados os condicionalismos da época pandémica que atravessamos.
Celebrou-se, também, o centenário da fundação da Liga dos Combatentes, o centenário da chegada à Batalha dos Soldados Desconhecidos, o 103.º aniversário da Batalha de La Lys e o Dia do Combatente, reconhecido oficialmente pela Assembleia da República, no final do ano passado.
O Núcleo de Lagoa-Portimão esteve presente nas três cidades onde existem Monumentos aos Combatentes (Lagoa, Portimão e Silves). Em todas elas foi lida a mensagem do Presidente da Direção Central da Liga dos Combatentes, TGen. Chito Rodrigues. Nas três cidades foram convidados os Presidentes das Câmaras respetivas, que também estiveram presentes.
Portimão
Pelas 09h30, junto Monumento no Largo Heliodoro Salgado acompanhados pela Presidente da Câmara Municipal de Portimão – Dra. Isilda Gomes, foi colocada uma coroa de flores em homenagem aos Soldados Portimonenses caídos na Guerra do Ultramar. Depois de lida a mensagem do Presidente da Direção Central, a Presidente da CM falou sobre o Dia do Combatente e relembrou o seu avô que esteve presente na Batalha de La Lys e das estórias que lhe ouvia contar.
Lagoa
Pelas 10h30, acompanhados dos habituais elementos da Direção foi recebido o Presidente da Câmara – Dr. Luís Encarnação, junto ao Monumento. Lida a mensagem, foram colocadas duas coroas de flores, uma pelo Presidente e Vice-Presidente do Núcleo e a outra pelo Presidente da Câmara de Lagoa que falou sobre o Dia do Combatente e mostrou uma vez mais a sua disponibilidade para colaborar com o Núcleo de Lagoa-Portimão da Liga dos Combatentes.
Silves
Silves
11Horas, após chegada da Presidente da Câmara de Silves – Dra. Rosa da Palma, junto ao Monumento foi lida a mensagem do Presidente da Liga dos Combatentes e colocadas duas coroas de flores, uma do Núcleo e outra da Câmara, esta última colocada pela Presidente do município e pelo antigo Vice-Presidente da autarquia – Mário Godinho. A Presidente, teceu elogios ao papel desenvolvido pela Liga dos Combatentes, nas memórias dos antigos Combatentes e apoio social às famílias. Em todas as cerimónias esteve sempre presente o estandarte do Núcleo.
Cerimónia em Lagoa
Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1921. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

Partilhe!
Artigo anteriorCondecoração da Liga dos Combatentes no dia do centenário da sua fundação
Próximo artigoViseu – Cerimónia do Dia do Combatente
Liga dos Combatentes
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1921. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe o seu comentário!
Please enter your name here