As condições sanitárias existentes, o estado de emergência em vigor e o facto de Marcelino da Mata ter falecido vítima de Covid 19, impediram que o heroico combatente tivesse as Honras Militares que lhe eram devidas, enquanto Torre Espada, Valor Lealdade e Mérito, assim como impediram que muitos combatentes e amigos o acompanhassem a última morada. Comando, sócio da Liga dos Combatentes e seu Membro Honorário, foi a enterrar no Talhão da Liga dos Combatentes, no cemitério de Queluz, a cujo Núcleo pertencia.
Falecido a 11 de fevereiro, teve pelos motivos atrás referidos o seu funeral a 15 de fevereiro pelas 11h00.
Foto: ALFREDO CUNHA
A situação de emergência existente impediu a organização de uma cerimónia oficial. O carisma e força do herói caído, porém, daria azo a contactos informais que conduziram a presença de entidades oficiais, religiosas, Comandos e outros combatentes que garantiram uma despedida altamente significativa e merecida, num esforço consciente do respeito das regras de distanciamento estabelecidas.
O Núcleo de Queluz da Liga dos Combatentes coordenou o acionamento do funeral com a família do Marcelino da Mata.
Um grupo de Comandos orientado pelo Comando Borralho, no exterior do cemitério, após a chegada do carro fúnebre, com a urna coberta pela Bandeira Nacional, organizou um momento de despedida.
Sua Exa Reverendíssima o Bispo das Forças Armadas e de Segurança, acompanhado do Capelão do Regimento de Comandos, após fazer as orações religiosas tradicionais, fez a apologia do Herói que ia a enterrar, do seu exemplo de amor a Pátria, do respeito que merece e do seu lugar na História.
Seguiu-se uma intervenção do Coronel Comando Henriques, o qual dirigindo-se diretamente a Marcelino da Mata exaltou a sua vida de Combatente e Comando.
O Coronel Comando Roberto Durão disse depois, uma poesia de homenagem a Marcelino, ao que se seguiu um minuto de silêncio, findo o qual arrancou o grito Comando “Mama Sumae!” (Aqui estamos, prontos para o sacrifício). Após alguém comando ter gritado o nome de Marcelino da Mata, todos responderam: – Presente.
Entretanto, marcaram a sua presença, e assistiram a este momento, Sua Exa. o Presidente da República, o Almirante Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, o General Chefe do Estado-Maior do Exército, Chefe da Casa Militar de Sua Exa. o PR, o Presidente da Câmara Municipal de Sintra, a Presidente da Junta de Freguesia de Queluz, o Presidente da Liga dos Combatentes, o Presidente da Associação de Comandos e o Presidente do Núcleo de Queluz da LC, para além de boinas vermelhas e de paras. Flutuavam guiões dos Comandos, dos paraquedistas e da Liga dos Combatentes.
Os condicionamentos existentes impediram os presentes de entrar no cemitério. Apenas as entidades referidas o puderam fazer acompanhando os familiares de Marcelino da Mata. Junto ao lugar onde foi a enterrar no Talhão dos Combatentes distinguia-se o Guião do Núcleo da Liga dos Combatentes de Queluz.
Após as ações religiosas, o General Chefe do Estado-Maior de Exército entregou à família uma Bandeira Nacional.
Sua Exa. o Presidente da República dirigiu-se ao lugar, já coberto de coroas de flores, onde acabava de ser inumado o Combatente Tenente-coronel Comando Marcelino da Mata e tocou a coroa de flores da Presidência da República. Toda a Cerimónia foi simples, mas de grande dignidade.
Um heroico combatente Comando havia caído vítima da Covid 19, aos oitenta anos. E até na sua morte dá, aos portugueses, motivos para refletirem!
Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1921. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

Artigo anteriorMensagem do Presidente da Liga dos Combatentes
Próximo artigoMilitares Portugueses distinguidos ao serviço da União Europeia na República Centro-Africana
Liga dos Combatentes
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1921. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe o seu comentário!
Please enter your name here