Foi inaugurado no passado dia 10 de setembro, na aldeia de Alte, concelho de Loulé, um monumento aos Combatentes. Presidiu à cerimónia o ministro da Defesa Nacional, Dr. João Gomes Cravinho com a presença da Secretária de Estado de Recursos Humanos e Antigos Combatentes, Prof.ª Dr.ª Catarina Sarmento e Castro.
Nesta cerimónia de inauguração estiveram também presentes o Presidente da Câmara de Loulé, Vítor Aleixo, do Presidente da Junta de Freguesia de Alte, António Martins e o Presidente da Liga dos Combatentes, Tenente-general Joaquim Chito Rodrigues.
O monumento da autoria de Daniel Vieira e de Renata Pawelec situado na rotunda dos combatentes de Alte, consiste numa mesa simbólica, com uma perna partida, sobre a qual estão assentes um relógio e um capacete.
A mesa representa o local onde se reúne a família que, como explicou o presidente da Junta, António Martins, “está diminuída na sua funcionalidade e estabilidade por lhe faltar uma perna, tal como a família com a ausência do combatente”. O relógio não tem ponteiros, significando a paragem do tempo durante a ausência dos membros da família. A ausência do número 11 representa o número de militares Altenses que perderam a vida na guerra do Ultramar. O capacete em cima da mesa representa o regresso com missão e o dever cumpridos e o retorno à família. O buraco de bala existente no capacete recorda as vidas perdidas na guerra.
O presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo, referiu que esta obra “faz um forte apelo à paz, à serenidade e à consciência” e recordou ainda que “nas guerras de África, faleceram 11 combatentes de Alte” e na Primeira Guerra Mundial “123 jovens desta freguesia foram mobilizados. Maioritariamente camponeses, partiram para Angola, Moçambique e Flandres. Lutaram heroicamente, morreram alguns, e outros voltaram com sequelas físicas e psicológicas que os acompanharam até ao final dos seus dias”.
O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho reforçou a importância de se continuar a homenagear os combatentes, porque “Honrar as suas memórias é um gesto essencial para uma sociedade que se queira respeitar a si própria. Reconhecer os antigos combatentes, os que faleceram em combate e os que hoje estão entre nós, é uma dívida que o Portugal do presente tem em relação ao Portugal do passado e o reconhecimento dessa divida é uma peça-chave para construirmos um país que queremos para o futuro”, referiu. Quanto ao Estatuto assinalou ser “o princípio de um caminho”.
No uso da palavra, para o Presidente da Liga dos Combatentes, Tenente-general Joaquim Chito Rodrigues “Espalham-se pelo país e pelo estrangeiro, lápides, padrões e cerca de quatrocentos monumentos erguidos com a mesma finalidade e o mesmo sentimento que nos une hoje aqui. Testemunhar o respeito. Marcar publicamente o apreço e gravar na pedra e no ferro a perenidade da gratidão e da memória dos que lutaram ou caíram por Portugal. Mas hoje, e após 45 anos, por coincidência com a presença de Sua Ex.ª o Ministro da Defesa Nacional, o sentimento que percorre os combatentes, tem um cambiante, é mais forte, mais sentido, mais tranquilo e permite, finalmente, aberto e generalizado regozijo”.
O novo Estatuto do Combatente publicado pela Assembleia da República reconhece finalmente, o esforço, o sacrifício e o luto de milhões de portugueses. O reconhecimento foi total vindo da casa, símbolo da democracia. Falta aprofundar a Solidariedade, nomeadamente o apoio à saúde e o apoio social revendo a Lei 3/2009. É isso que continuamos a aguardar.
Discurso do Presidente da Liga dos Combatentes
Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

Artigo anteriorLamego – 96.º Aniversário do Núcleo
Próximo artigoGuarda – 96.º Aniversário do Núcleo
Liga dos Combatentes
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe o seu comentário!
Please enter your name here