MDN Gomes Cravinho em Roteiro de Defesa Nacional

0
157
O Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, desloca-se entre segunda e quarta-feira aos municípios de Lamego, Baião e Vila Real naquele que será o primeiro Roteiro de Defesa Nacional. Estes programas descentralizados destinam-se a promover um conhecimento e uma cultura de Defesa Nacional nas diferentes regiões do território nacional, em parceria estreita com os municípios e os governos regionais, criando oportunidades privilegiadas de contacto entre decisores e cidadãos, administração central e local, sociedade civil e família militar.
No primeiro dia, 27 de janeiro, João Gomes Cravinho vai estar em Lamego, onde visitará um dos 17 gabinetes de Atendimento ao Público, que o Exército disponibiliza em vários pontos do país e que servem sobretudo para garantir um maior acesso das populações a informação sobre o serviço militar. Seguir-se-á uma visita ao núcleo de Lamego da Liga dos Combatentes.
Na manhã do segundo dia, 28 de janeiro, o destaque vai para a deslocação ao Centro de Tropas de Operações Especiais, unidade destinada à formação de militares na área das Operações Especiais e ao aprontamento da Força de Operações Especiais (FOE), popularmente conhecidos como “Rangers”. No local, o Ministro visitará também os aquartelamentos reabilitados, no âmbito dos investimentos já concretizados, na melhoria das infraestruturas militares.
Programa em Lamego
27 de janeiro
17h30 – Visita ao Gabinete de Atendimento ao Público do Exército
18h30 – Visita conjunta ao Núcleo de Lamego da Liga dos Combatentes
28 de janeiro
8h30 – Visita ao Centro de Tropas de Operações Especiais ***
9h40 – Visita ao Aquartelamento de Penude
– Exposição de meios e equipamentos da Força de Operações Especiais
– Demonstração técnico-tática de uma Special Operation Task Unit (SOTU)
– Formatura da SOTU
11h00 – Visita ao Castelo de Lamego
– Sessão com Presidente da Câmara de Lamego e Ministro da Defesa Nacional, que inclui período para diálogo com cidadãos
Fonte: www.noticiasdeviseu.com
Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

Artigo anteriorMorreu o general José Lemos Ferreira
Próximo artigoVila Franca de Xira – Escritura de doação da Sede do Núcleo
Liga dos Combatentes
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe o seu comentário!
Please enter your name here