A 11 de janeiro de 2020, foi inaugurada oficialmente a sede do Núcleo da Mêda da Liga dos Combatentes onde é de realçar o empenho e dedicação da Direção do Núcleo que, com apoio da Câmara Municipal, levaram à concretização deste objectivo que reafirma a determinação dos Combatentes em defesa de Portugal.
O Presidente da Liga dos Combatentes, Tenente General Joaquim Chito Rodrigues, presidiu às cerimónias onde não deixou de afirmar a necessidade de os Combatentes serem reconhecidos nas suas propostas e apoios por parte do Parlamento e do Governo.
A cerimónia foi enriquecida com a presença de militares do Centro de Tropas de Operações Especiais de Lamego com uma Guarda de Honra.
O Núcleo da Liga dos Combatentes de Mêda pretende ser um local de convívio, assistência social, participação, ajuda e união em PROL DOS COMBATENTES.
Ali estiveram presentes os núcleos de Belmonte, Gouveia, Guarda, Pinhel, Sabugal e Vila Nova de Foz Côa, bem como os seus guiões.
As cerimónias compreenderam o hastear das bandeiras ao toque do hino nacional, homenagem aos mortos e o hino do Combatente. De seguida, procedeu-se à inauguração e bênção das instalações e uma visita às mesmas, onde o Presidente da Direção do Núcleo, cor. João Manuel Pais Trabulo, doou ao Núcleo uma planta topográfica da vila de Meda, executada em 1927 pelo Tenente José Luís Simão Saraiva, combatente na I Grande Guerra que, por sua vez, lhe tinha sido oferecida por Joaquim Manuel da Fonseca ao qual o solicitador José Luís Tavares Saraiva, sobrinho do autor lha tinha confiado. O Presidente da Liga dos Combatentes e o Presidente da Câmara, Prof. Anselmo Antunes de Sousa, assinaram o livro de atas para assinalar esse dia.
Seguiu-se depois um momento com um significado muito especial, uma romagem ao Monumento dos Combatentes onde foi colocada uma coroa de flores e guardado um minuto de silêncio com guarda de honra e a presença dos Guiões dos Núcleos que participaram nas Cerimónias, convidados e combatentes. Este Monumento foi mandado construir pela Câmara Municipal de Mêda e inaugurado em 9 de Janeiro de 2004 já com a presença do Presidente da Liga e do escultor Lopes Cardoso que representa o reconhecimento público do combatente, em especial, do concelho de Mêda.
Teve ainda lugar uma Sessão Solene nos Paços do Concelho, aberta com uma intervenção do Presidente da Direção do Núcleo, cor. Pais Trabulo onde fez um historial da vida do Núcleo que, presentemente, tem 47 sócios dos 20 herdados do Núcleo da Guarda. Agradeceu a todos que contribuíram para a efetivação desse dia e a reactivação do Núcleo, em 2016, destacando de uma maneira especial a presença do Presidente da Liga e a intervenção da Câmara Municipal e do seu Presidente. 
Depois usou da palavra o Presidente da Liga que entretanto apelou à união de todos os combatentes para que o Parlamento e o Governo reconheçam aos Combatentes o direito de verem o seu contributo para com a Pátria, ser reconhecido no aspecto social, saúde e monetário.
Acabou a sua intervenção entregando à Câmara Municipal uma Menção Honrosa sob proposta da Direção do Núcleo e a condecoração do Presidente da Câmara com a Medalha de Mérito, grau ouro, pelo trabalho e dedicação em prol dos Combatentes e do Núcleo de Mêda.
Para finalizar a sessão solene, o presidente da Câmara agradeceu tudo o que estava a acontecer com as cerimónias. O Núcleo de Mêda e a Câmara Municipal procederam à entrega de algumas lembranças aos Núcleos e Convidados, bem como a Liga ao Núcleo e Câmara de Mêda.
Para recordar e rezar pelos combatentes já falecidos ou ainda vivos, foi celebrada uma Missa na Igreja Matriz de São Bento de Meda, pelo Reverendo Padre Jorge Manuel dos Santos Dias.
Após isto, foi feito registo fotográfico junto ao Pelourinho da cidade.
O dia terminou com um almoço convívio no Hotel das Termas de Longroiva onde o presidente da Direção aproveitou para agradecer a oferta de José Gualdim Amado, administrador e proprietário do hotel, fez ao Núcleo com os mastros das bandeira e não faltou o bolo comemorativo, acompanhado pelo vinho da Liga “La Lys” e o grito da Liga dos Combatentes: “Liga dos Combatentes, Valores Permanentes, Liga dos Combatentes Em todas as Frentes”.
Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

Artigo anteriorMoura – Assinado protocolo entre o Município de Moura e a LC
Próximo artigoMonumento em homenagem aos ex-combatentes do Ultramar inaugurado no Valado dos Frades
Liga dos Combatentes
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe o seu comentário!
Please enter your name here