O Núcleo de Estremoz da Liga dos Combatentes, assinalou no dia 17 de Novembro de 2019, as Cerimónias Comemorativas do Centésimo Primeiro Aniversário do Armistício, Quadragésimo Quinto Aniversário do Fim da Guerra do Ultramar e do Nonagésimo Quarto Aniversário do Núcleo de Estremoz.                           
A cerimónia foi presidida pelo Presidente da Direção Central Tenente-general Joaquim Chito Rodrigues. Esta efeméride contou ainda com a presença do Vice-presidente da Liga dos Combatentes, Major-general Fernando Aguda; Comandante do Regimento de Cavalaria 3, Coronel Jorge Manuel Pedro; Presidentes das Câmaras Municipais de Estremoz, Sousel e Fronteira, respetivamente Dr. Francisco Ramos, Eng. Manuel Valério e Dr. Rogério Silva, Representante da Câmara Municipal de Borba; Presidente da Assembleia Municipal de Estremoz – Professor Nuno Rato; Vereadores da Câmara Municipal de Estremoz; Presidentes de Juntas de Freguesias do Concelho de Estremoz ou seus representantes, como sejam: União de Freguesias de Santa Maria/Santo André; Arcos; Évoramonte; Glória; União de Freguesias de São Bento do Cortiço e Santo Estevão; São Domingos de Ana Loura; São Lourenço de Mamporcão; Veiros e União de Freguesias de São Bento do Ameixial/Santa Vitória. Representantes da Policia de Segurança Publica e Guarda Nacional Republicana; Diretora do Centro de Emprego e Formação Profissional de Évora – Dr.ª Paula Caeiro; Centro Distrital da Segurança Social de Évora – José Bilro; Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Estremoz, Dr. Miguel Raimundo; Delegação da Cruz Vermelha Portuguesa de Estremoz – Presidente da Direção e Comandante dos Bombeiros Voluntários de Estremoz; Presidente da Associação Cultural e Recreativa dos Marinheiros de Estremoz, Associação de Comandos, Presidente da Filarmónica Lusitana de Estremoz, Presidente da Associação Cultural e Musical de Estremoz; Associação CIDADE; Academia do Bacalhau; Jornal Brados do Alentejo e Radio Despertar “Voz de Estremoz”, Núcleos de Évora e Elvas. Associados e simpatizantes da Liga dos Combatentes e órgãos da comunicação social.
O evento teve início pelas 08h00, com o Hastear da Bandeira Nacional e da Bandeira da Liga dos Combatentes na sede do Núcleo.
Pelas 14h30, foi inaugurado as obras de requalificação e reabilitação do Talhão dos Combatentes no cemitério de Estremoz.
Às 15h15 junto do Monumento ao Combatente, prestou-se homenagem a todos os que tombaram ao serviço da Pátria, quer na I Grande Guerra, quer na Guerra do Ultramar, com a seguinte sequência:
  • Apresentação da Guarda de Honra, à Entidade que presidiu à Cerimónia;
  • Cerimónia de Homenagem aos mortos, com as respetivas honras militares prestadas pela Guarda de Honra do Regimento de Cavalaria 3;
  • Deposição de Coroas e Ramos de Flores na base do Monumento por quinze entidades;
Pelas 15h45, decorreu no Teatro Bernardim Ribeiro, a Sessão Solene, com a seguinte sequência:
  • Alocução pelo Presidente do Núcleo de Estremoz Sargento-Mor Vitor Caldeira.
  • Alocução pelo Presidente da Liga da Liga dos Combatentes, Tenente General Joaquim Chito Rodrigues.
  • Imposição de Condecorações a Antigos Combatentes.
  • Entrega de Certificados de Apreço aos sócios que completaram 25 e 50 anos de associados da Liga dos Combatentes.
  • Entrega da Placa de Gratidão e Reconhecimento a vinte e nove Instituições e Associações.
  • Hino da Liga dos Combatentes.                          
A culminar as comemorações do 101.º Aniversário do Dia do Armistício, 45.º Aniversário do Fim da Guerra do Ultramar e do 93º Aniversário do Núcleo de Estremoz os convidados e associados foram brindados com o tradicional São Martinho de Honra, servido nas instalações do Regimento de Cavalaria 3.
Presenciaram a cerimónia, bem como, estiveram presentes no São Martinho de Honra, cerca de duas centenas e meia de pessoas.
Todos os presentes sentiram que a Liga dos Combatentes tem valores permanentes e está em todas as frentes!
Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

Artigo anteriorMunicípio de Estarreja homenageia Combatentes
Próximo artigoPinhel – 97.º Aniversário
Liga dos Combatentes
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe o seu comentário!
Please enter your name here