06.04.2019 – O Núcleo das Caldas da Rainha da Liga dos Combatentes participou na cerimónia do “Dia Nacional do Combatente” que se realizou este ano, no dia 06 de abril de 2019, no Mosteiro da Batalha, com um significativo efetivo, 48 participantes, constituindo-se como um dos Núcleos com o maior número de presenças.
Nucleo-Caldas-Rainha-Dia-Combatente-2019-2Na cerimónia estiveram presentes diversas entidades, entre as quais, se destacam, o Ministro da Defesa Nacional João Gomes Cravinho e o Presidente da Direção Central da Liga dos Combatentes, Tenente-general Joaquim Chito Rodrigues e cerca de 100 Núcleos da Liga dos Combatentes de norte a sul do país, que se fizeram representar juntamente com os seus associados, familiares e convidados.
A cerimónia iniciou-se pelas 10h30 com uma Missa de Sufrágio pelos Combatentes Falecidos na Igreja do Mosteiro da Batalha.
Pelas 12h20 decorreu a Prestação de Honras Militares às Altas entidades com disparo de salvas de várias peças de artilharia presente no local, alocuções e desfile das Forças em Parada.
“Há antigos combatentes que não são professores, não são enfermeiros e não são juízes e que merecem o apoio económico e social efetivo no processo de envelhecimento, com adequado apoio hospitalar, nomeadamente do hospital das Forças Armadas. Há antigos combatentes que têm pensões de pobreza”, revelou o Presidente da Liga dos Combatentes Tenente-general Chito Rodrigues.
Nucleo-Caldas-Rainha-Dia-Combatente-2019-1O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, defendeu que “O Estado tem obrigação de lhes dar [aos ex-combatentes] apoio e às suas famílias nas dificuldades físicas e mentais que advêm da experiência da guerra, e tem responsabilidade de o fazer ao longo de toda a sua vida”, disse João Gomes Cravinho, durante o seu discurso.
A cerimónia terminou na sala do Capítulo com uma deposição de Flores no Túmulo do Soldado Desconhecido e Honras Militares aos Mortos caídos em defesa da Pátria.
A Direção do Núcleo das Caldas da Rainha agradece o inestimável contributo da Escola de Sargentos do Exército, pela cedência das viaturas e dos respetivos condutores, bem como a todos os estimados associados que contribuíram para este fraterno e distinto convívio.
Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

Artigo anterior70.º Aniversário da NATO
Próximo artigoMatosinhos – Dia do Combatente (Batalha)
Liga dos Combatentes
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe o seu comentário!
Please enter your name here