04.04.2019 – O Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas presidiu, em Lisboa, à Cerimónia Militar comemorativa do 70.º aniversário da NATO – Organização do Tratado do Atlântico Norte.
O Núcleo de Cantanhede esteve presente no 70.º aniversário da NATO, representado pelo seu Guião, que fez parte das forças em parada e pela sua Direção.
As Forças Armadas assinalaram no passado dia 04 de abril os 70 anos da assinatura do Tratado do Atlântico Norte, que criou a NATO em 4 de abril de 1949, prestando homenagem à organização que tem permitido manter a paz entre os Aliados e contribuir para a segurança e estabilidade internacional, ao longo destas últimas sete décadas. Este momento pretendeu, também, homenagear todos os militares que deram o seu contributo para as missões e operações da Aliança Atlântica, afirmando o compromisso de Portugal para com a defesa coletiva, a gestão de crises e a segurança cooperativa. Com este objetivo, antigos combatentes, militares dos três ramos das Forças Armadas e da Guarda Nacional Republicana e representantes das organizações NATO com sede em Portugal, reuniram-se numa parada militar com um efetivo de 940 militares, junto ao Padrão dos Descobrimentos, em Belém.
Portugal vai manter-se “presente e pronto” na Aliança Atlântica, que 70 anos após a fundação tem de voltar a “fazer valer princípios e estratégias para um mundo mais livre, mais justo, mais aberto, mais respeitador da dignidade da pessoa e dos seus direitos”. A afirmação foi feita pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. “A Aliança Atlântica e a NATO, sua expressão militar, continuam vivas, importantes, determinantes” no atual quadro da “estratégia transatlântica”, em que “Portugal não mudou” porque “viu muito cedo o que outros só veriam mais tarde” e porque “continua a ter os seus valorosos militares prontos e eficazes” para intervirem onde for necessário, frisou Marcelo Rebelo de Sousa.
  • Cantanhede-Aniversário-NATO-2019-1
  • Cantanhede-Aniversário-NATO-2019-2
  • Cantanhede-Aniversário-NATO-2019-3
  • Cantanhede-Aniversário-NATO-2019-4
  • Cantanhede-Aniversário-NATO-2019-5
  • Cantanhede-Aniversário-NATO-2019-6
Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

Artigo anteriorSeixal – 70.º Aniversário da NATO
Próximo artigoCaldas da Rainha – Dia do Combatente 2019
Liga dos Combatentes
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe o seu comentário!
Please enter your name here