Sessão Extraordinária n.º 15/2018 da Assembleia Municipal de Oeiras realizada em 12 de novembro de 2018. Deliberação n.º 117/2018 - Voto de Louvor em homenagem aos 82 combatentes do concelho de Oeiras participantes na I Grande Guerra, apresentado pelo Grupo Político Municipal do IN-OV12.11.2018 – A Assembleia Municipal de Oeiras deliberou por unanimidade dos presentes, com trinta e quatro votos a favor, sendo dezoito do Grupo Político Municipal Isaltino Inovar Oeiras de Volta, quatro do Partido Socialista, quatro do Grupo Político Municipal Independentes Oeiras Mais À Frente, três da Coligação Democrática Unitária, dois do Partido Social Democrata, um do Centro Democrático Social-Partido Popular, um do Bloco de Esquerda e um do Partido Pessoas-Animais-Natureza, aprovar um Voto de Louvor e um minuto de silêncio, apresentado pelo Grupo Político Municipal Isaltino Inovar Oeiras de Volta, em homenagem aos oitenta e dois combatentes do Concelho de Oeiras, participantes na Primeira Grande Guerra.
Voto de Louvor

No momento em que se celebra o centenário do Armistício que, em 11 de Novembro de 1918, pôs termo à bárbara carnificina desencadeada pelos desvarios nacionalistas, que ficaria conhecida para a História como I Grande Guerra, importa homenagear todos os homens que, arrancados à sua pacífica labuta diária, sofreram os horrores da guerra nas várias frentes em que ela se desenvolveu.Importa sobretudo, aqui, nesta Assembleia Municipal, lembrar e homenagear os oitenta e dois mancebos, oriundos das várias freguesias do concelho de Oeiras, que integraram os contingentes do Corpo de Artilharia Pesada Independente e do Corpo Expedicionário Português.

Na Flandres sofreram as agruras das trincheiras, suportaram os gases letais, os primeiros bombardeamentos aéreos, o troar da artilharia, o frio e a lama, o desamparo dos campos de prisioneiros, as saudades da terra e dos familiares.

Nem todos regressaram e, em muitos dos que foram repatriados, mantiveram-se os efeitos dessa guerra que os transformara por dentro, quando os não marcara por fora.

Em memória de todos eles, proponho um voto de louvor e um minuto de silêncio.

Oeiras, 12 de Novembro de 2018
António M. Balcão Vicente
INOV
Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

Artigo anteriorCantanhede assinalou Centenário do Armistício da Grande Guerra
Próximo artigoLeiria – Cerimónia de homenagem aos Combatentes
Liga dos Combatentes
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe o seu comentário!
Please enter your name here