Decorreram em 29 de outubro na Vila de Abiul as cerimónias que marcaram o aniversário do Núcleo Abiul/Pombal da Liga dos Combatentes. As cerimónias tiveram início pelas 11h junto ao monumento aos Combatentes daquela Vila que participaram na Guerra do Ultramar, sendo de 240 o nome dos cidadãos Abiulenses que se encontram gravados nas placas do monumento. Presentes na cerimónia de aniversário um largo número de Combatentes e suas Famílias, sendo entidades convidadas e participantes no evento, o Presidente da Câmara de Pombal; o Vice Presidente da LC; a Presidente da Junta de Freguesia de Abiul; o Coronel de Infantaria CMD Manuel Ferreira da Silva; o Presidente do Núcleo de Leiria da LC; o Presidente da Delegação de Pombal da Associação de Comandos e o Diácono Senhor Jorge Ferreira; para além do Presidente e membros da Direcção do Núcleo de Abiul/Pombal da LC.
A iniciar a festividade entoou-se o Hino Nacional e prosseguiu com a deposição de uma coroa de flores no Monumento aos Combatentes, acto que envolveu o Presidente da Câmara de Pombal, o Vice Presidente da LC e a Presidente da Junta de Freguesia de Abiul.

Após os toques de ordenança usuais nestes momentos e a invocação religiosa a cargo do diácono Jorge Ferreira sucederam-se as alocuções proferidas pelo Presidente do Núcleo de Abiul, pelo Coronel Ferreira da Silva – cidadão nascido em Abiul e Combatente, pelo Vice-presidente da LC e pelo Presidente da CMPOMBAL.

De seguida foram impostas Medalhas Comemorativas das Campanhas a 3 Combatentes e distribuído o Diploma de Apreço a uma sócia extraordinária da Liga ao abrigo do Programa da LC “Dos Avós aos Netos”a uma neta de Combatente de Abiul. Foi cantado o Hino da LC a encerrar as cerimónias e seguiu-se uma visita à sede do Núcleo de Abiul.

Mais tarde decorreu o almoço de confraternização num restaurante cercano de Abiul, juntando cerca de 300 participantes – Combatentes, Famílias e Entidades Convidadas, numa tradicional confraternização salutar e recordando com detalhe muitos dos momentos vividos pelos Combatentes, quer durante a guerra quer na sua vida quotidiana actual. As comemorações tiveram sentida participação , quer física quer emocional, por parte de todos os que a elas se associaram.

Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

Artigo anteriorDia do Combatente do Pico
Próximo artigoComemorações do 99.º Aniversário do Armistício…
Liga dos Combatentes
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1923. Constituem objectivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de acções de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a protecção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objectivos, nomeadamente no que respeita à adopção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por actos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e directo dos seus associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe o seu comentário!
Please enter your name here