Beja – Inauguração do CAMPS 8

0
474
Núcleo-Beja-Camps-2015-6
25.03.2015 – No desenvolvimento do Programa Estruturante “Cuidados de Saúde” foi decidido transformar a Delegação de Beja do CAMPS de Loulé, num órgão independente tecnicamente e integrado no Núcleo de Beja da Liga dos Combatentes. As cerimónias iniciaram-se com uma sessão a que presidiu o Presidente da Liga dos Combatente Tenente-general Joaquim Chito Rodrigues, com a presença do Presidente da Assembleia Municipal de Beja, a Vereadora da Cultura, Desporto e Turismo da Câmara Municipal de Beja, o Presidente da Junta de Freguesia, o 2.º Comandante da Base Aérea N.º 11, o Presidente do Núcleo de Beja e o responsável pelo CAMPS de Beja, para além dos Núcleos do Alentejo que passaram a ser apoiados pelo CAMPS N.º 8.
Usou da palavra o Presidente do Núcleo de Beja – Major Pereira, que exaltou os antigos combatentes e a missão do Núcleo. Seguiu-se o Dr. Chambel, coordenador do CAMPS 8, que apresentou o trabalho que tem sido desenvolvido e o pessoal técnico que tem servido este órgão da Liga dos Combatentes. Após a sua intervenção, o Prof. Doutor António Correia apresentou um briefing sobre a situação atual da Estrutura Nacional de Apoio Médico, Psicológico e Social e as atividades desenvolvidas pelos CAMPS nos últimos anos, apresentando alguns dados estatísticos do trabalho desenvolvido e dando algumas orientações técnicas.
Finalmente encerrou a sessão o Tenente-general Chito Rodrigues lembrando algumas orientações doutrinárias que importa prosseguir, a história recente dos CAMPS, bem como alguma informação do estado da situação dos programas estratégicos e estruturantes. Encerrada a sessão, as centenas de pessoas presentes dirigiram-se para as instalações do CAMPS 8 onde foi descerrada uma placa evocativa do momento, tendo sido visitadas as instalações, onde o Presidente da Liga deixou significativa homenagem no livro de honra.
O Presidente da Liga dirigiu-se depois às instalações do Núcleo de Beja que visitou, após o que todos se reuniram em almoço de convívio e fraternização. Seguiu-se uma visita ao Regimento de Infantaria 3, onde muitos haviam prestado o serviço militar.
  • Núcleo-Beja-Camps-2015-2
  • Núcleo-Beja-Camps-2015-3
  • Núcleo-Beja-Camps-2015-4
  • Núcleo-Beja-Camps-2015-5
  • Núcleo-Beja-Camps-2015-7
  • Núcleo-Beja-Camps-2015-8
  • Núcleo-Beja-Camps-2015-9
  • Núcleo-Beja-Camps-2015-10
Liga dos Combatentes
Author: Liga dos Combatentes

A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1921. Constituem objetivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de ações de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a proteção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objetivos, nomeadamente no que respeita à adoção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por atos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e direto dos seus associados.

Partilhe!
Artigo anteriorEncontro de Delegados do Núcleo de Apoio ao Camps de Lisboa
Próximo artigoBeja – Romagem ao cemitério municipal
A LIGA DOS COMBATENTES, inicialmente designada por Liga dos Combatentes da Grande Guerra, foi fundada em 1921. Constituem objetivos da LIGA DOS COMBATENTES: a. Promover a exaltação do amor à Pátria e a divulgação, especial entre os jovens, do significado dos símbolos nacionais, bem como a defesa intransigente dos valores morais e históricos de Portugal; b. Promover o prestígio de Portugal, designadamente através de ações de intercâmbio com associações congéneres estrangeiras; c. Promover a proteção e auxílio mútuo e a defesa dos legítimos interesses espirituais, morais e materiais dos sócios; d. Cooperar com os órgãos de soberania e da Administração Pública com vista à realização dos seus objetivos, nomeadamente no que respeita à adoção de medidas de assistência a situações de carência económica dos associados e de recompensa daqueles a quem a Pátria deva distinguir por atos ou feitos relevantes praticados ao seu serviço; e. Criar, manter e desenvolver departamentos ou estabelecimentos de ensino, cultura, trabalho e solidariedade social em benefício geral do País e direto dos seus associados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe o seu comentário!
Please enter your name here